Entre a sexta-feira a domingo passado, 16 a 18 de novembro, aconteceu em Buenos Aires a Conferência Internacional “A América Latina em uma tormenta política e social”.

Convocada pelo Partido Obrero (Argentina) e o Partido dos Trabalhadores (Uruguai), participaram companheiros e companheiras de El Salvador, Nicarágua, Brasil e Paraguai, entre outros.

Um dos temas mais importantes do debate foi a ascensão de Bolsonaro e a luta contra o fascismo no Brasil e em todo o continente. O tema foi discutido na presença de delegações de duas organizações brasileras, Tribuna Classista e Luta pelo Socialismo (LPS). Também participaram dois intelectuais brasileros de primeira linha: a historiadora e professora da Universidade de Campinas, Marly Viana, e José Menezes Gomez, professor da Universidade Federal de Alagoas e responsável no Brasil da Comissão pela Anulação da dívida do Terceiro Mundo.

 

 

 

Enviaram adesões à conferência um importante grupo camponês da zona de Caaguazu, Paraguai; do Peru, o grupo Vilcapaya enviou um extenso documento sobre a situação de seu país. Da Bolívia recebemos a adesão da corrente “Maestr@s por uma proposta educativa”, que faz parte do Bloco de Oposição de Esquerda (BOI), quem anunciaram que estão organizando uma viagem a Buenos Aires para tomar contato e aprofundar o debate. Estes foram convidados pelo grupo Socialismo Revolucionário de Cochabamba. Do Chile também recebemos a adesão dos companheiros da TJR (Tendência Juvenil Revolucionária).

Também enviaram seus cumprimentos o DIP (Turquia) e o EEK (Grécia).

Simultaneamente às deliberações, aconteceram duas importantes mesas redondas. Uma sobre a crise, dívida e saque na América Latina e, a outra, a respeito da ascensão de Bolsonaro.

 

 

 

 

A seguir, convidamos a assistir o relatório de abertura da conferência, que esteve a cargo de Jorge Altamira, e ambas mesas redondas.

Anúncios