ABAIXO À REPRESSÃO, NÃO À PRIVATIZAÇÃO DA SAÚDE E DA EDUCAÇÃO: VAMOS PELA REVOGAÇÃO DA FRAUDULENTA VOTAÇÃO DO PL DAS OS’s

Com uma operação de guerra, a Câmara de Vereadores de Florianópolis votou sábado à noite, feriado da Inconfidência Mineira, o projeto de lei “Creche e Saúde já” que terceiriza a UPA Continente (Unidade de Pronto Atendimento) e creches passando a administração das mesmas à iniciativa privada através das OS’s (Organizações Sociais ), que por onde passam deixam um rastro de destruição dos serviços essenciais à população, como na UPA de Jacarepaguá no Rio de Janeiro , onde os trabalhadores não receberam seus salários e a população ficou sem atendimento e os responsáveis são acusados pela própria imprensa burguesa como a Globo News de várias irregularidades e atos de corrupção nos contratos. Em Florianópolis, a SPM ( Sociedade Paulista de Medicina ), OS que geria o Hospital Florianópolis no final de 2017 simplesmente foi embora , deu calote nos trabalhadores , que realizaram greve durante o natal e ano novo, sendo que pacientes morreram nos corredores do hospital e justificou que o governo do Estado não repassou os recursos necessários (deixando na rua da amargura 550 profissionais da saúde): estas são as chamadas Organizações Sociais , que não passam de empresas de fachada para desvio de dinheiro público para os tubarões da iniciativa privada .

Mais uma vez, o déspota Gean Loureiro que tem a maioria parlamentar, lançou mão do judiciário e da repressão contra a luta dos trabalhadores que há treze dias em greve resistem e lutam pela retirada da pauta de votação deste projeto nefasto para o Serviço Público e para o conjunto da população da ilha que luta junto e enfrentou a Policia Militar e a Guarda Municipal, os quais distribuíram cacetadas, bombas de gás, spray de gás pimenta, com a cavalaria escoltando os 16 vereadores que votaram favorável ao projeto na entrada e na saída da Câmara. A covarde ação da Policia Militar que trancou manifestantes na ante-sala do plenário, local fechado, asfixiando-os com gás, passou de todos os limites, assim como a prisão do companheiro João Thomas que após ser algemado foi espancado e teve costelas quebradas e só foi solto depois de intensa mobilização dos mais de cinco mil manifestantes que exigiram sua libertação nas ruas que cercam a Câmara. Esse é o governo do golpista MDB de Gean e Temer.

A CATEGORIA RESISTE, AMPLIAR A GREVE
Em assembleia, na segunda-feira, que contou com a participação de seis mil servidores públicos municipais, foi decidido manter a greve iniciada dia 11 de abril. Confirmada a decisão, os trabalhadores caminharam pelas ruas do centro de Florianópolis dialogando e pedindo o apoio da população pela revogação do PL, e finalizaram com um ato em frente à prefeitura. A comissão de negociação da categoria junto com a direção do SINTRASEM reuniu-se com o chefe da casa civil, mas a negociação não avançou, a greve continua e mantém o atendimento parado em diversas unidades de saúde, educação, obras e assistência social.

Na prática, o secretário ficou de encaminhar nossa posição de abertura de negociação, nada além disso”, afirmaram os membros da mesa de negociação. No dia 24 de abril aconteceu nova assembleia e após ato público conjunto com outras categorias de trabalhadores e estudantes da UFSC, UDESC e secundaristas que estão apoiando a GREVE, no TICEN (TERMINAL CENTRAL DE FLORIANÓPOLIS )

# NÃO À PRIVATIZAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS
#NÃO ÀS OS’s
#REPOSIÇÃO INTEGRAL DAS PERDAS SALARIAS
#PAGAMENTO DO ACORDO DE 2017
#ABAIXO O GOVERNO DE AJUSTADORES DE GEAN LOUREIRO E MDB
#CONTRA A GUERRA IMPERIALISTA E O GOLPISTA TEMER ORGANIZAR A GREVE GERAL’
# PELA VITÓRIA DA GREVE DOS SERVIDORES DE FLORIANÓPOLIS

Alfeu Bittencourt Goulart , da Tribuna Classista de Santa Catarina

Anúncios